"Não me deixe só, que eu te medo do escuro, do inseguro, dos fantasmas da minha voz..."

Se você cavar
e esmerilhar
aquilo que sou,
talvez encontre alguém
perdido no meio
sem saber qual das pontas
seguir.
Puxam-me para ambas.
Sou ninguém que saiba escolher.
Jogo as mãos
e livro-me das amarras;
tentam algo,
investem contra (ou a favor de) mim.
Olho, vago.
Eu quero o céu,
mas não encontro a saída
para o canto dos anjos
e sua perdição.
Talvez as línguas benditas me guiem,
talvez meus pés me levem voluntariamente,
talvez eu encontre a saída.
É possível
que eu te veja
e então saiba.

2 comentários:

  1. "É possível que eu te veja e então saiba."

    ResponderExcluir
  2. Leio teu blog sempre, acho linda suas palavras. Recentemente criei meu primeiro blog http://viverapenasporamor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir